Eu chego lá

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Como eu ia dizendo....

Acredita que quando marcaram a cirurgia eu não contei pra ninguém? Verdade, só contei pra minha família, e para uma amiga que ficou com uma listinha das pessoas que eu queria que ela avisasse, mas só quando eu estivesse internada e com a certeza de que a cirurgia ia rolar mesmo, é que lá no HC acontecia de colocarem outra pessoa na sua frente pra operar, caso a pessoa tivesse cm sérios problemas de saúde e muita urgência. Então o que sei é que fiz isso, sei lá, acho que com medo de me decepcionar de novo e ter que ficar dando explicação.
Pois bem, dia 12/11/2001 as 08:00hs, meu pai me acompanhou até o hospital e fiquei internada, na ocasião minha mãe cuidava da minha sobrinha que era um bebezinho e não pode me acompanhar muito nessa fase. Fiquei lá ansiosa demais, não sabia de nada, o que fazer, o que esperar... Eu só conhecia uma pessoa que tinha sido operada, um vizinho meu que pouco nos víamos, então imaginam como eu estava.
Passei o dia respondendo várias perguntas para vários médicos, mas nada do Drº Mitsunori aparecer, só a noite é que o anestesista veio e me deu um remédio pra dormir melhor. E 0 Drº Paulo Engler Pinto Junior foi se apresentar e dizer que ele é que tinha sido designado para fazer minha cirurgia, como disse antes, naqueles dias estava acontecendo um congresso sobre cirurgia bariátrica ali mesmo no HC e o "inventor" da cirurgia estava lá, lembro que a Drª Marlene chegou a brincar comigo dizendo que se "alguma coisa" acontecesse era só dar um telefonema que o Papa da cirurgia ou seja o mestre, ia lá resolver, mau ela sabia que íamos chegar bem perto disso....
Fui pro centro cirúrgico as 07:00hs, Ahh detalhe, estava menstruada, vê se pode, e eu com medo de isso ser empecilho pra cirurgia...nada a ver.
Pois bem, a enfermeira me acordou as 06:00hs me deu um comprimido pré anestésico e me mandou pro banho, depois deitei na maca completamente sem roupa, só com uma touca na cabeça, aqueles protetores nos pés e coberta apenas com um lençol. A sala do pré operatório do HC é uma loucura, nunca vi tanta gente em macas como ali, uma verdadeira linha de produção. Fui colocada ao lado de uma moça que ia fazer plástica nos seios e nos dedos da mão, nesse momento comecei a sentir muito enjoo e logo pensei "Meu Deus, meu estômago vai dar pau justo agora!? Não vão me operar!!!" chamei o enfermeiro e ele me explicou que aquilo era reação do pré anestésico que tinha tomado e que podia vomitar numa boa, foi o que fiz, mesmo estando em jejum, foi só um pouquinho, ele me deu um lençol e pronto, resolvido.
Lembro que ali, pouco antes da cirurgia, pensei que podia morrer, não adianta, a gente pensa mesmo, mas não tive medo em momento nenhum, eu já estava tão cansada daquela vida, da humilhação, da descriminação, do preconceito, que pra mim se eu morresse ali tava bom, pelo menos ia provar pra muita gente que eu não era a pessoa acomodada que eles julgavam, que eu não estava daquele jeito, enorme, só porque queria e era preguiçosa, pois era assim que muitos me julgavam., pois bem eu estava ali pro que desse e viesse.
Entrei no centro cirúrgico, e fui recebendo os preparativos, enfaixaram minhas pernas (um procedimento de rotina) colocaram os monitores cardíacos e pressão, aqueles fios todos, ai quando me disseram que iam anestesiar minha garganta pra que eu fosse entubada, decidi que era o momento de me entregar ao sono que estava sentindo.Dormi.
Foi realizada uma Gastroplastia em Y de Roux (Cirurgia de "Capella") Convencional ou seja aberta.

É uma derivação gástrica ("gastric bypass"), método mais utilizado no mundo. Consiste em reduzir o volume do estômago a não mais do que 30 ml e conectá-lo ao intestino. Pode ser feita sem anel ou com anel ("Capella"), que diminui mais a velocidade de esvaziamento. O procedimento pode ser por via laparoscópica (realizada através da introdução de pinças especiais no abdome por 6 pequenos cortes) ou através de uma incisão abdominal (entre 10 e 15 cm), sempre sob anestesia geral.

Indicação: Obesos mórbidos.
Contra-indicação: Dependência de drogas e álcool, Cirrose
% perda de peso: 30 a 40% do peso total em média.
Riscos: Fístulas, embolia pulmonar.
Falhas: Perda de peso insuficiente rara.
Internação hospitalar: 72 horas;tempo cirúrgico aproximado: 2 horas.;recuperação anestésica: 3 horas.
Dieta: Líquida 30 dias.
Acompanhamento: Consultas periódicas.


Acordei na UTI (procedimento padrão)com meu pai ao meu lado, estava completamente grogue, ouvi ele e dormi de novo, acordei algumas vezes mas meio que sem saber onde estava, com o corpo duro e com muito, muito calor, lembro (hoje achando graça) que pensei que minha cama estava em baixo de uma janela que batia muito Sol, vê se pode, nem janela tinha, só passados alguns dias, quando conheci meu amigo Jaison (que alias queimou feio a bunda no colchão) soube que estava sobre um colchão térmico. Pois bem, fiquei na UTI, recebendo todos os cuidados, inclusive um super banho dado por um enfermeiro muito simpático, como eu ainda estava sonolenta nem vergonha deu pra sentir.
Fui pro quarto no dia seguinte ao da cirurgia, e a Drª Ingrid (cirurgiã) recomendou que assim que eu pudesse, que andasse para limpar os pulmões.
Logo que fui pro quarto recebi a visita da minha mãe que ficou muito emocionada, ela sempre teve muito medo e só depois eu soube que dei muito trabalho, o Drº Paulo disse que suou a camisa pra me operar e a Drª Marlene disse que quase que tiveram mesmo que pedir socorro lá no Congresso, o Drº Mitsunori na primeira visita me fez deu uma recomendação que sigo até hoje, ele disse pra sempre respirar fundo, devagar e fundo, que vou me sentir melhor, inclusive nos entalos, me explicaram que meu intestino era todo torcido (de nascença) algo que não se poderia prever e que por isso deu muito trabalho na hora de fazer a ligação estômago - intestino, minha cirurgia demorou 8 horas, minha família ficou em pânico, sem noticias, eles ligavam e diziam que eu não estava no centro cirúrgico, ligava nos quartos diziam que lá eu tbem não estava, imaginem o sufoco deles, com o desencontro de informações, minha mãe em casa com minha sobrinha e meu pai sozinho lá no hospital, na época sem celular né!?
Fiquei internada por 7 dias, sem comer nem beber nada, inclusive agua, sofri pra caramba, mas NADA DE DOR, em momento algum senti dor, nesse ponto foi muuito bom.
Sofri porque fiquei lá, um tédio ficar no hospital, minha companheira de quarto era muito porca, fazia xixi na comadre e largava lá no banheiro em cima do vaso, toda vez que eu ia no banheiro tinha que tirar de lá, e não sei porque cargas d'agua, ela tinha que guardar a urina, que ficava em um vidro enorme em cima do lavatório, imagina minha cara na hora de escovar os dentes, eu hein, nunca mais! Eram tantas coisas, rs rs rs
Eu ficava mais tempo vendo TV e no orelhão, não era todo dia que tinha visita por causa da distancia de casa no hospital.
Bom finalmente no Domingo (operei na terça) me trouxeram chá (sem açúcar) e uma sopinha, eu tinha tanto medo de comer e sentir dor que quase não comi, mas não teve dor não.
Soube que "talvez" tivesse alta na Segunda-feira.
Na Segunda feira realmente me deram alta, mas não porque achavam que eu estava boa, e sim porque precisavam muito do leito, já que no HC, só tinha 1 leito para obeso, e eu estava "atrasando a fila" quem entrou pra operar depois de mim, foi (hoje minha amiga) Tais.
Detalhe, normalmente o tempo de internação é de 2 a 3 dias no caso de cirurgia aberta como a minha, é que no meu caso, com aquele problema do intestino acharam melhor eu ficar mais, mesmo eu não sentindo nada. Outra coisa, é comum ir pra casa com 1 dreno, que é tirado em alguns dias, eu fui embora com 2 drenos,1 foi tirado em uma semana (depois conto a terrível historia dele) e o outro que todo mundo sai com ele e tira em uns 2 dias, EU fiquei 1 mês com ele, ele praticamente se tornou um animal de estimação, rs rs.
Fui pra casa, finalmente.


Continua....

2 comentários:

Claudia disse...

Olá Pati, estou amando... parabens pela iniciativa... bjusss

Fabi disse...

Oi, amei seu blog. Eu ainda vou começar a correia, daqui uma semana. Mas andei me perguntando se não devia tentar outras coisas. Mas eu ja tentei tudo, nutri, anfetamina, acumputura auricular, dietas e mais dietas. E da essa sensção de que estou buscando o mais facil... Mas lendo sua postagem vejo que estou muito certa no que estou fazendo e sinto sua felicidade transbordando nas palavras. Obrigado por dividir com a gente, queria muito que voce me seguisse!!!! Bjosss